A ocasião…

daisyoct8aConstantemente as manchetes mundiais mostram massacres nos Estados Unidos.

Desta vez, na semana passada, no Umpqua Community College, no Estado de Oregon, foram encontrados três revólveres e um rifle com o atirador.

Há duas semanas, no dia 26 de agosto, uma repórter e um cinegrafista foram assassinados durante uma transmissão ao vivo no estado de Virginia. No mesmo dia, um homem fantasiado de Rambo matou duas pessoas na cidade de Sunset, na Louisiana.

Imagino eu que esses atiradores são pessoas que, no mínimo, estão fora de si, drogados ou emocionalmente perturbados. Este deveria ser o lado óbvio da questão. Só que, o lado mais óbvio me parece que é a facilidade com que se compra armas oficialmente. Dizem por lá que existe um estudo de antecedentes antes de liberar a venda. Pelo que pesquisei, por exigência legal, o FBI deve fazer uma revisão dos antecedentes criminais do comprador em três dias úteis e, caso dê sua aprovação, a compra passa a depender da decisão do vendedor.

O estudo deve ser bem minucioso… Até o Walmart vendia armas — fuzis automáticos e armas semiautomáticas em suas lojas nos Estados Unidos.  No dia 27 de agosto a rede varejista anunciou que deixaria de vender fuzis automáticos e armas semiautomáticas em suas lojas.

No ano passado, a venda de armas bateu recorde durante a Black Friday, como noticiou a CNN, fazendo com que o FBI processasse 175 mil verificações, três vezes mais do que a média diária, como noticiado.

O próprio presidente Obama declarou “o número de pessoas que morrem nos Estados Unidos por causa de armas de fogo é superior ao das vítimas do terrorismo. E completou sua fala: “Estou com o coração dilacerado”.

Por aqui, as emissoras de TV mostram que armas circulam livremente em alguns pontos de algumas comunidades. Mas não são vendidas em supermercados. Imaginem vocês se isto acontecesse…. Esta terra descoberta por Cabral iria virar, aí sim, a terra de Marlboro.

Bom…nós sabemos que armas outras são usadas bem diante do nosso nariz. Armas que a impunidade abriga em seu manto de silêncio e de medo.

Agora mesmo temos um bom exemplo: o presidente da Câmara, acusado de manter uma conta na Suíça, simplesmente se nega a esclarecer o assunto. Nega-se até mesmo a tecer qualquer consideração, mesmo quando interpelado pelos seus companheiros deputados, o que nos leva a duas linhas de raciocínio: ou o homem é PO-DE-RO-SO, ou armaram para ele. Mas… banco suíço entra em armação brasileira?

A situação que se vive hoje aqui no Brasil é tão esdrúxula e absurda quanto o fato de se vender rifles e armas automáticas em supermercados.

Nos Estados Unidos, alguns vivem o “American Dream”. Aqui, nós vivemos o “Pesadelo Brasileiro”, apesar de nossa sucursal de Walmart vender apenas produtos inofensivos.

Mas, de qualquer forma, vale a máxima mundial atemporal “ A ocasião faz o ladrão”. Faz o atirador também.

 

Deixe um comentário!