Arco do Triunfo espanhol

O Arco de la Victoria é também conhecido como Puerta de Moncloa.

É o Arco do Triunfo espanhol, e foi construído durante a ditadura de Franco para comemorar a vitória da Frente Nacionalista na Guerra Civil espanhola.

A história aconteceu assim: o mundo passou por grandes dificuldades econômicas no ano de 1929, crise conhecida por A Grande Depressão, que, além de países da Europa, se ampliou, promovendo quebras de bancos, de Bolsas, estremecendo o sistema financeiro não só nos Estados Unidos, mas levando reflexos no mundo inteiro.

Na Espanha, a Frente Popular, ligada aos socialistas, comunistas e anarquistas, venceu as eleições de 1936. Os conservadores se assustaram com a hipótese dos comunistas ascenderem ao poder. Queriam os Nacionalistas (ou diziam que queriam) a volta da monarquia. E quem eram esses nacionalistas? Eram os conservadores. Eram os proprietários de terra, o Exército, e a Igreja Católica, na época uma força política tão forte ao ponto de definir caminhos políticos, especialmente na Espanha.

Conclusão: começava a Guerra Civil Espanhola, que depois de muito soco e pontapé, foi vencida pelos Nacionalistas que colocaram no poder Francisco Franco, ditador, que permaneceu no Poder de 1939 até sua morte em… 1975!

Você pode estar pensando… Mas o que tem a ver um texto sobre Diários de Viagem com esta abordagem?

Eu explico. De certa forma nós, brasileiros, já vimos este filme, mas vivemos hoje dias de tanta conturbação, que me pareceu bem apropriado começar este Diário de Viagem, em que vou compartilhar com vocês alguns lugares de Marrocos e outros de Espanha, com o Arco do Triunfo, e com o que ele representou.

Para quê? Para mostrar que nem sempre um triunfo é “triunfal” e que pode significar anos e anos de um regime ditatorial em que o povo não tem o menor papel, a menor representatividade e que, por pior que seja uma república, por mais que políticos corruptos tentem acabar e desmoralizar com a Justiça de um país, sempre haverá o momento e a ocasião em que o povo poderá manifestar-se e simplesmente acabar com a “brincadeira” da corrupção e de uma forma quase simples: basta se informar e NÃO VOTAR em corrupto.

ISSO! Foi esta a razão de começar assim esta série de Diários de Viagem.

Compartilhar com vocês momentos bacanas como a magia de Marrocos, o entusiasmo do Flamenco, a suntuosidade dos palácios, o mistério das mesquitas, mas sem esquecer o momento sinistro que vivemos em nosso país.

Deixe um comentário!