Estatuto de Escola de Samba

Foto da autora: "Gente de todas as idades foram manifestar seu protesto, até com dificuldades."

Foto da autora: “Gente de todas as idades foi manifestar seu protesto, até com dificuldades.”

Eu tive um sonho… Sim, eu tive. E era um sonho tão lindo, tão correto, tão grandioso, sabe? Daqueles que quando acontecem de verdade você fica meio sem chão, imaginando que ainda está no éter do sonhar.

Lembrei disto no domingo passado, durante a manifestação cívica em Copacabana. Só que o sonho tinha virado do avesso, e o Partido e as pessoas que me encantaram durante boa parte da minha vida adulta naquele momento eram nada mais que um balão furado, que explodiu fazendo grande estrondo e levantando poeira para todo lado.

Vejo muitas opiniões declarando que “a esquerda” isso, a “esquerda” aquilo… Ora, amigos, não podemos atribuir a um movimento ou a uma ideologia a responsabilidade por atos corruptos. Os novos absurdos que são mostrados a cada dia, a corrupção, a intenção clara de iludir o povo com mentiras não são uma questão ideológica, mas uma questão de caráter, eu penso.

Não sou cientista política, mas sou povo, faço questão de me inteirar do que dizem e pensam as pessoas ao meu redor, e quando digo que essas pessoas estão ao meu redor não estou querendo dizer que têm o mesmo acesso às facilidades do que eu. Têm maior ou menor acesso à cultura, usufruem de maior ou menor qualidade de vida. E o sentimento que vejo é geral… Elas estão simplesmente decepcionadas!

Mas não perderam a fé. E estavam lá, em pleno domingo de sol, estavam lá. Com suas camisas canarinho, lutando para não perder o campeonato da Moral e da Decência.

Alegar intolerância? Como assim? Presidentes de conselhos que assinam sem ler, ministros que não sabem o que acontece nas antessalas dos seus gabinetes… O dinheiro rolando, mas… Era para quem, mesmo? Para ninguém. Ou então Robin Hood baixou no pedaço e saiu distribuindo para o povo… para o “povo” da casa de quem se corrompeu…

No último domingo, a arma era simplesmente a Esperança. Nada parecido com as do chefete sindicalista a dizer que “vamos pegar em armas para defender o governo”. Deviam pegar é a Constituição, a Bíblia… Acho que até Estatuto de Escola de Samba deve ter algum capítulo que trata dos Deveres dos Diretores de Ala …

Enfim… Para o mundo que eu quero sair… Sair dessa confusão, respirar um ar mais puro. Vou-me embora para uma Passárgada escolhida, apesar de não ser amiga de nenhum rei. Volto em setembro, certamente com muita saudade de vocês.

 

Deixe um comentário!