Flores para você

Tenho um amigo que não suporta despedir-se e sempre diz “Até logo”. Isto sempre me intrigou e toda vez que perguntei o porquê, ele deu de ombros como quem diz (sem dizer) “Não importa”.

Mas, como não me contento com “não importas”, fiquei matutando até descobrir, ou pelo menos pensar que descobri, a razão. Claro que lhe consultei sobre meu achado, mas novamente ele deu de ombros e repetiu o seu não importa. Mesmo assim vou lhes contar a minha impressão. O cidadão é francês e no idioma dele Adeus é Adieu. Bom, adeus e adieu acabam dando na mesma – A Deus e A Dieu. Seria a expressão um encaminhamento a Deus? O que significaria ir a Deus?

Ah, bom. Será que no seu “dar de ombros” estava expressando o medo da morte? Pois foi essa a minha conclusão. Afinal, mesmo para os mais valentes, no fundinho da alma, ou do inconsciente, escolha você como quer chamar, a morte costuma ser meio assustadora. Aliás, estou sendo inconclusiva porque na verdade costuma ser é muito, muito assustadora, especialmente para aqueles que como eu e você amamos a Vida.

Mas aí é que entra a tal da fé. Eu, mesmo tremendo de medo diante da morte acredito que não é o fim. Pelo contrário, para mim é o início de um novo tempo, uma nova ordem cósmica, um prenúncio de Paraíso. Sim, sou daquelas pessoas que acreditam que, se fizermos direitinho o dever de casa nessa grande casa que se chama planeta Terra, teremos um lugar garantido em algum espaço melhor do que este planeta, cheio de guerras, e fome, e tanto sofrimento que passamos, mesmo que não sejam nossos os sofrimentos.

E aí você pode não estar entendendo nada, mas vou explicar: hoje, pela última vez, escrevo crônica para a Singles. Fui comunicada que não vão mais publicar crônicas diárias, as editoras estão muito sobrecarregadas e não conseguem dedicar tempo para as crônicas. E bota tempo nisso, porque sei que não é nada fácil esse movimento de manter aquecido e interessante um espaço na Internet.

Então, essa é minha última crônica para a Singles, mas não é um Adeus a você, que me prestigia dedicando seu tempo para ler o que escrevemos – eu e todos os cronistas da revista. Também não é um adeus a Vania e a Noga, pessoas super especiais, idealistas e guerreiras, que acreditam no poder da literatura, da diversidade de opinião, e se desdobram para fazer o seu trabalho. A elas, o meu mais profundo respeito e amizade.

Continuarei publicando no meu site www.daisylucas.com.br e espero merecer a mesma atenção e carinho que você me dedicou durante todos este tempo, um bom tempo, semanalmente trazendo-lhe o meu sentimento, a minha opinião, o meu texto.

Assim, vou fazer como o meu amigo Jean-Luc e vou lhes deixar um Até logo, e essas flores tão simples que desenhei com todo carinho a você, que tanto carinho tem me dedicado.

8 comentários

  • Denise Oliveira Peon disse:

    Lamentávelmente mais um canal de Cultura interrompido.É claro que vou continuar a ler suas crônicas! Parabéns pelo seu trabalho e continuo torcendo pelo seu sucesso!

  • Denise Oliveira Peon disse:

    Outra coisa,Daisy.Amei as suas flores!São lindas e perfumadas!

  • Daisy disse:

    > Regina Vimercati – 👏eu também não uso “Adeus”, usualmente, digo “tchau”, as vezes, “até logo”. Pra mim “Adeus” significa “Não nos veremos mais” é muito triste. Tchau pode ser pra daqui a pouco, poucos dias, poucos meses, mas vou lhe encontrar em algum momento.😍😍😙

    > Sueli Póvoa – Parabéns Daisy, pelo bom gosto e delicadeza, tanto nas flores quanto no texto. Abraço grande!

    > Angela Cantarino – Uhuuu! Gostei. 👋👋👋👋 Muito bom!!😊

    > Bernadete – Que pena ser a sua última crônica. Vou lhe acompanhar no seu site.😘

    > Paulo Porto – Muito bonito, show!!!

    > Eliane Tavares da Silva – Você tem muito o que contar para outras pessoas. Um jeito só seu de se comunicar. Adiante! Abraços.

    > Denise Peon – Que pena as crônicas não serem mais publicadas!Mas qto as flores,a dorei o estilo da pintura. Foi vc mesma que pintou? Ficou um quadro lindo! Amei!!! Bj e espero que vc continue a produzir cada vez melhor,”nas onze”!!!!👏🏼👏🏼👏🏼👍🏼👍🏼😘❤😘❤😘❤

  • Raquel Porto Rodrigues disse:

    Muita sensibilidade nas suas crônicas…sou fã!

  • Maria Alice C.Percini disse:

    Vê-la seguindo sua inspiração e reunindo ideias,que tanto prazer nos trazem,é um presente.
    Lamentável que à Cultura não seja dado o devido valor.
    Mas temos pessoas que não esmorecem.
    E você é uma delas.Sucesso!

    • Daisy disse:

      Maria Alice.

      Seu comentário e carinho já são um belo retorno; não tenho esquema de marketing, o meu marketing é justamente divulgar pelos amigos do Face. Assim, eu te agradeço muito . Bj

      Daisy Lucas

  • marciotadeu1 disse:

    Olá Daisy Lucas!!! Infelizmente hoje é a primeira vez que leio sua crônica. Muito inteligente e linda. Porém, não tema a morte, um dia ela virá, é inevitável, enquanto isto ao invés de temê-la, curta bastante a vida!!!! Muito sucesso para você.

    • Daisy disse:

      Márcio. FELIZMENTE hoje você leu pela primeira vez o meu trabalho, fico feliz com isto. Obrigada, seja bem-vindo.

      Ah! Eu não temo a morte, apenas amo a vida. Abs. Daisy Lucas

Deixe um comentário!