Mereciam até um CPF…

daisy29abrTarde quente, uma chuvinha caindo silenciosa… diazinho bom pra malhar.

Me paramentei, taquei umas calças daquelas que seguram tudo, não apenas os músculos, seguram até a alma. Olha que eu estava bem animada, o que não ocorre normalmente. Pra mim, a ida à academia é quase como ir ao dentista. Sofrimento à parte, o desconforto é o mesmo, só fazendo diferença no odor, substituído aquele horrível cheiro de remédio pelo dos suores que se espalham no ar.

Segui o ritual — alongar, respirar, esteirar, e só depois malhar.

Primeira etapa, ok, alongadíssima. Segunda, haja pulmão, respirei até o pulmão fazer bico. Mas, quando tomei lugar na esteira eu o vi. Sujeitinho esquisito… parecia estar fazendo acrobacia com o celular, ao mesmo tempo em que corria a sei lá quantos por hora, equilibrando-se entre a ação de correr e…

Ai, droga, vou ter que tomar alguma atitude, pensei, quando percebi o que o homem estava fazendo. E tomei. Fui em sua direção e ele, ao me ver quase chegar, continuou sua carreira desabalada, mas fora da esteira. Isso mesmo… ele se mandou!

Eu? Fazer o quê? Aparentemente ninguém tinha visto, eu de solitária testemunha não iria levantar aquela lebre. Acabei minha ginástica, voltei para casa.

Uns dias depois, nem posso precisar quantos, estava eu novamente a esteirar, e meu coração começou a correr mais do que minhas pernas. Pois não é que o sujeito, o tal da acrobacia, vinha direto na minha direção? Tinha qualquer coisa nas mãos, e acenava com aquilo. E parou bem ao meu lado.

Aquilo era uma foto, que eu não conseguia enxergar direito.

Imagine o espanto que eu devia expressar quando ele começou a falar muito rapidamente (e baixinho):

— Olha, quando olhei aquelas coxas não resisti.

Meu Deus! Que coisa era aquela…. Eu não sabia se caía no riso, ou se me horrorizava. Já conheci pessoas que, escravos da forma e de um modelo de beleza adotado, passam horas e horas dentro de uma academia, se lascando para manter o tal padrão que, tenho a impressão, os faz sentir semideuses, semideusas, músculos indestrutíveis. Mas como essas coxas eu nunca tinha visto.

Sacudindo a foto no ar, ele continuou:

— Essas aqui, ó. Eu já observava há dias que a dona dessas coxas ficava malhando horas, botando os bofes pra fora, transpirando como se estivesse morando em pleno inferno. Mas em compensação… o resultado está nesta foto.

E me estendeu a imagem. Olhei, vi umas caras (caras?) Não, umas coxas. Não, mas tinham cara. Puxa, mas eram coxas. Gente… As coxas tinham cara! Não consegui pronunciar uma palavra.

O homem continuou falando mais baixinho ainda… e ainda rapidamente.

— Aí, não aguentei… tive que dar uma cara para essas coxas. Porque identidade elas já tinham. Mereciam até um CPF.

Eu? Mudei de academia, aquela mais parecia um hospício.

Deixe um comentário!