Uma Questão de Privada

“Para criar um novo modelo, é preciso de algo que não seja só um pouquinho diferente, mas algo realmente novo, que capture a imaginação das pessoas.”

Quando William Henry Gates III fez esta declaração na apresentação de um novo produto da Microsoft em 1983, mesmo sendo um visionário talvez não tivesse ideia de que caminhos seus projetos o levariam, embora, através da Fundação Bill e Melinda Gates, tenha desenvolvido muitos, muitos projetos de Filantropia. O último que me lembro de ter lido tinha a meta de erradicação da poliomielite até o final de 2018.

Mas desta vez ele levou muito ao pé da letra as palavras que disse em 1983.

Na terça – feira passada, dia 6 de novembro de 2018, entrou no palco do evento Reinvented Toilet Expo, em Pequim, tendo nas mãos um pote com dejetos humanos, revelando que naquele recipiente havia cerca de 200 trilhões de vírus, 20 bilhões de bactérias e 100 mil ovos de parasitas.

Continuou, afirmando que “em lugares sem saneamento básico há muito mais que isso no ambiente, o que causa doenças como diarreia, cólera ou febre tifoide, que matam anualmente cerca de 500 mil crianças de até 5 anos”.

Explicou que, enquanto “o vaso sanitário de hoje simplesmente manda os dejetos embora na água,… os vasos sanitários inteligentes sequer têm esgoto”, disse.

Sim, a Fundação Melinda e Bill Gates desenvolveu o vaso sanitário inteligente, tecnologia que transforma dejetos humanos em fertilizante, e – mais um dado revolucionário – “sem usar água”.

Para ressaltar a importância da descoberta basta ler o Relatório divulgado em maio de 2107, em que a Organização Mundial de Saúde (OMS) o Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF), afirmam que 4,5 bilhões de pessoas carecem de saneamento seguro. Aqui no Brasil, os dados mais recentes do Sistema Nacional sobre Saneamento (SNIS) que encontrei foram divulgados são referentes a 2015, e mostra que apenas 50,3% dos brasileiros tem acesso a coleta de esgoto. Tomara que esses dados já estejam, superados nos anos seguintes…, ou que o sejam nos próximos. Afinal, é tempo de esperança.

E quanto a acreditar nas palavras do Bill, ao ter afirmado que qualquer casa no mundo poderá ter no futuro um sanitário inteligente como este, ah… Nisso eu acredito.

E sabem por quê? Porque quando ele, no final dos anos 70 afirmou que num futuro próximo todos teriam seu PC (personal computer) muita gente o chamou de louco.

Olha onde a loucura o levou…

3 comentários

  • Izabel disse:

    Putz! Sensacional! Torcendo pra essa “loucura” ser lançado, por aqui, oais rápido possível! 👏🏼👏🏼😘

  • Ivonete Veiga disse:

    Foi um sonho antigo meu também, no início dos anos 80 , eu trabalhava como Visitadora Sanitária, da Fundação de Serviço de Saúde Pública, e uma das metas era implantar fossa séptica em todas as casas no interior, ond atuavamos, mas eu ficava pensando uma outra forma de resolver a situação, pois não era muiti confortável,apesar de eficiente para o que se propunha, que era dar destino ao dejetos humanos. O número de mortalidade infantil era muito grande. Adorei a notícia!!!

Deixe um comentário!