Praguejando

clockNão, não vou te enganar, não gosto de mentir. Quer dizer, de vez em quando… muito raramente… meus diabinhos liberam uma daquelas mentirinhas inofensivas que, acho eu, até Francisco (o Papa, é claro) deve cometer.

Então, não vou te mentir, preciso te dizer que não gostei nada, nadinha, das tantas janelas e sacadas sem sinal de flor ou de um verde qualquer… Sacadas frias e sem alma.

Ora, minha cara, toda cidade europeia que se preze tem lá suas sacadas floridas. Eu até ousaria dizer que essa é uma das presenças mais marcantes e constantes na Europa, quase comparada ao onipresente vinho e às inúmeras espécies de linguiças — tem linguiça de porco, de búfalo, de bode, haja linguiça.

Pode ser que a minha paixão pelas flores me faça ver as coisas dessa forma. Mas… até no inverno já vi sacadas floridas, puxa. Como é que você não se toca… Vê se dá aí um incentivo fiscal para quem florir sua casa, seu quintal suspenso. Garanto que a cidade ficaria mais harmoniosa.

Alegre ela já é (pelo menos no verão). Muita cantoria, muita gritaria, turistas formando um formigueiro a cada esquina. Tenho a leve impressão de que Praga está na moda, é chamada de “Pérola da Europa”, mas falta florir as… Não, não vou repetir, repetições ficam desagradáveis numa crônica, parece que a gente está enchendo linguiça…

Ih! Pra quê fui falar das benditas linguiças… Acabei me lembrando das… Você, que é tão linda, cheia de referências místicas, bruxinhas e mais bruxinhas à venda nas lojas de souvenirs, na Cidade Velha tem até um relógio astronômico… Isso aí, um Relógio Astronômico.

Só ele daria assunto para uma crônica inteira. O dito é composto de três partes: o quadrante astronômico, que indica as vinte e quatro horas do dia, mostra as posições do sol e da lua e umas outras conversas astronômicas que me explicaram, mas que meu HD interno não computou; a segunda parte apresenta figuras animadas, com direito ao que lá chamam de “passeio dos Apóstolos” porque, ao mudar a hora, os doze em pessoa desfilam no relógio, pode? (pode sim, que eu vi com esses olhos que a terra NÃO há de comer, pois sou adepta da cremação); e, para finalizar, como se fosse pouco, a terceira parte do relógio é um Calendário Circular, que representa os meses do ano.

É pouco ou quer mais?

Quero mais: quero as sacadas. Ih! Melhor mudar o rumo da prosa. O tal relógio não é a única ousadia; as cores dos cabelos são alucinadas, faltam cores nas sacadas, sobram cores nos cabelos: verde, azul, roxo, rosa, um arco-íris andante pelas ruas, e não tem essa de dizer que os jovens etc. etc. As coroas também estão de cabeça colorida, e enquanto tantas mulheres europeias deixam seus cabelos embranquecerem sem disfarce, as tchecas estão mandando ver na cor.

Viu que baita elogio eu te mandei, cidadezinha querida? Eu te elogio, sim, um elogio verdadeiro, sincero.

Só não me rogue, Praga. Não me rogue que eu te minta e diga que gostei das tuas frias sacadas. Não me rogue Praga.

 

Deixe um comentário!