Se orienta, minha filha…

daisy17setTenho alguns tesouros na vida, dentre eles minha mãe, Dona Lina, que também é conhecida por alguns apelidos, como Umbra, por exemplo.

Não que seja uma pessoa da sombra. Como sabem, a palavra “ umbra” , em latim, significa sombra. Mas este apelido lhe foi conferido pelo carinho, admiração e ironia de um neto que a tem na mais alta estima. Nunca entendi o porquê de tal nome, já que minha mãe é uma pessoa de energia solar, mas vai alguém explicar as denominações que o afeto pode fazer…

Aos noventa anos, ela ostenta uma sabedoria incomum, uma energia incomum, uma consciência social e política incomum. Esta a razão pela qual lhe dei um outro apelido: 90K — K sendo a representação fonética da primeira letra de duas palavras que lhe caem muito bem, querida e quilates.

Pois bem, outro dia eu estava em sua casa, ouvindo sua conversa ao telefone com uma neta, e ela dizia: “Não conta isso pra ninguém, minha filha. vocês ficam publicando tudo na internet e vão despertando a inveja do povo.”

Não aguentei, soltei uma risada das boas. Ela acabou a conversa, desligou o telefone e despejou:

— Você é muito engraçada, fica se rindo aí, até parece que eu disse alguma besteira.

— Minha mãe… esse papo de inveja é tão antigo, não é um discurso legal para uma mulher antenada como você.

— Pois fique sabendo que quanto mais o tempo passa, mais eu acredito nisso. As pessoas ficam exibindo o que têm e o que são na internet, isso não é nada bom. No meu tempo se dizia que a inveja era a arma dos incompetentes, hoje eu vejo que é o assunto de quem não tem o que fazer, e, em vez de ir cuidar da sua própria vida, descobrir seus próprios caminhos, fica assuntando a vida alheia. Vê se eu tenho tempo pra ficar observando o que X ou Y fazem.

Bom, de nada adiantou eu tentar argumentar. Cada argumento meu ficava fraco diante dos provérbios que ela, mestra em Palavras Cruzadas, ia listando:

“A inveja é a homenagem que a inferioridade tributa ao mérito.”

“A riqueza cria inveja e ódio.”

“Não há glória sem inveja.”

Cansada de argumentar, me despedi e fui para casa pensando. Claro que me lembrei de outras frases, dentre as quais aquela que há um tempo se via nos carros: “A inveja é uma M”. Não resisti e liguei pra ela:

— Mãe, você esqueceu de uma frase que…

— Já sei, tinha uma mãozinha abanando e estava escrito que a inveja é uma merda, mas eu não gosto de falar palavrões. E você, em vez de ficar debochando de mim, vai pensar no que o Tom Jobim falou. Ele disse que o sucesso, no Brasil, é ofensa pessoal.

— Mas, mãe…

— Não tem mais nem meio mais… Se orienta, minha filha.

Bom, nessa altura do meu campeonato, só me resta lembrar outra frase do compositor, que disse que “O Brasil não é pra principiantes” .

Minha 90K, com sua sabedoria, também não é para principiantes.

 

Deixe um comentário!