Tudo o que o $ Pode Comprar, fica Barato…

“Quando o mundo estiver na busca do conhecimento e não mais lutando por dinheiro e Poder, a Humanidade vai poder, enfim, evoluir.” (Thomas Jefferson)

Ah, o dinheiro…, idolatrado por uns, esnobado por poucos… Sim, esnobado especialmente pelos que pertencem a alguns segmentos – religiosos ou não – e que fazem a apologia da humildade.

Não concordo com tal demonstração de “humildade”, talvez seja melhor a apologia do bom uso do dinheiro, e, mais ainda, a apologia da forma decente de ganhar o bom dinheiro, não o dinheiro que compra coisas fúteis, ou que compra opiniões, ou que compra um lugarzinho ao sol em qualquer cenário – político, artístico, ou de negócios.

Existem alguns que pensam que o dinheiro compra felicidade, alegria… Fernando Pessoa mesmo disse um dia que “Nunca tive muito dinheiro para poder ter tédio à vontade”. Desta vez, ele que tanto me emocionou com seus textos, fez-me rir, não o riso alegre dos que acham graça no que foi dito, mas o riso irônico de quem já viu pessoas montadas na grana não saberem o que fazer do seu dinheiro, do seu tempo, da sua vida.

Utilizando-me do chavão que “dinheiro não compra felicidade”, amplio a reflexão e lembro a você que também não compra Tempo, ou dignidade, caráter, eu ousaria até dizer que não compra beleza, porque, vamos combinar, em muitos casos, a plástica fica pior do que o que estava antes; quando é muito radical, parece que a pessoa perde o viço. Mas essa é uma opinião muito pessoal e nem sempre é exata, existem casos de ótimos resultados.

A opinião que é geral, penso eu, é que as capacidades, se assim pudermos chamar, que nos caracterizam como seres humanos e agregam algo de bom para nossa espécie, não são “compráveis”.

Um bom exemplo disto é observar nosso cenário político, em que as pessoas se digladiam por posições, por definirem quem é mais poderoso, e o que interessa mesmo (ou deveria interessar), fica para último plano. Parece mesmo que o que está valendo no momento é mostrar que “Quem manda aqui sou eu”.

Pobres pessoas – cheias de Poder, mas tão pobres de humanidade, tão pobres de solidariedade, tão pobres de civismo. Não se dão ao desfrute de admitir que ao misturarem futilidades (como o “quem manda aqui”, por exemplo), dão prioridade ao que é fútil, enquanto o Tempo corre, os prejudicados mais se prejudicam, e perdemos TODOS. Os que estão apostando para ver quem manda mais pensam com o bolso, ou com a vaidade, não pensam em seu país e em seu povo. Ora, se na base da discussão o essencial não tem vez, fica bem claro que essas pessoas, as poderosas, só pensam em si mesmas.

Mas, não se enganem eles, que no final, acabamos todos da mesma forma…

E ninguém vai conseguir comprar um ticket de volta no Tempo, este é um artigo que não tem preço.

O resto? Ah, até dignidade alguns pensam que estão comprando por aí, mas a verdade verdadeira é que dignidade e caráter são artigos caros, muito caros, são “incomparáveis”, e o dinheiro…

O dinheiro só compra o que é barato.

1 Comment

  • Daisy disse:

    >> Maria Tereza Silva Teixeira: Dinheiro não compra tudo? Depois da Lava-Jato eu vi que compra até honra. O que é bem triste.

Deixe um comentário!