Dia Vinte e Seis de Setembro, um dia que…

Sim, hoje é dia 26 de setembro…, um dia como os outros dias?

Não, o hoje não é um dia como outro dia qualquer, ouvi essa frase de um homem muito sábio.

Como assim? Inicialmente botei a cabeça para funcionar… O que teria acontecido num 26 de setembro? Alguma data nacional? Dia de quê, afinal?

Não tive muito tempo para pensar porque logo ele deu a resposta: “O dia de hoje não é e nunca será como dia nenhum acontecido, nem dia nenhum que vai acontecer, o dia de hoje é único, como todos os dias são. Aí a ficha caiu… Claro, nenhum dia é como outro… especialmente no tempo que vivemos agora. Em vinte e quatro horas toda uma vida pode mudar.

O passar do Tempo é um mistério que nunca poderemos decifrar – passado e futuro se misturam nas nossas memórias e nas nossas expectativas, em tantas tentativas de entender o passado e em tantas maneiras de nos prepararmos para o futuro. E, no entanto, só o Presente nos pode dar alguma certeza.

Foi aí que me lembrei de um poema lido alguns anos atrás que guardei com muita atenção, e que dizia assim:

Há um tempo em que é preciso
Abandonar as roupas usadas
Que já têm a forma do nosso corpo
E esquecer os caminhos que
Nos levam sempre aos mesmos lugares.
É o tempo da Travessia
E se não ousarmos fazê-la
Teremos ficado para sempre
À margem de nós mesmos”

Durante muito tempo pensei que Tempo de Travessia fosse autoria de Fernando Pessoa, poeta múltiplo, depois vim a saber que existe uma dúvida e que seria de outro Fernando, o Fernando Teixeira de Andrade.

Enfim, não sei a que Fernando devo agradecer esta pérola, mas sei que aprendi muito com estas palavras.

E reunindo os dois pensadores, minha reflexão é que o dia de hoje, único, presente, é nada mais nada menos do que um presente que recebemos todas as manhãs.

Que possamos cortar de nossa vida, em cada manhã, tudo o que não poderemos aproveitar no dia que virá a seguir.

Que tenhamos Gratidão, porque presente se agradece. E que façamos por merecer, porque nunca mais haverá um dia vinte e seis de setembro como o vinte e seis de setembro – hoje.

# Cuide-se para viver outros vinte e seis de setembro.

1 Comment

  • Daisy disse:

    Sandra Loureiro
    >> Sua crônica é de uma fineza ,que a comparei a uma pérola… Linda a sua maneira de se relacionar, de forma tão sutil, com o tempo. Parabéns …que cada dia anteceda outras crônicas belas como essa!

    Maria do Carmo Poleza
    >> Com certeza cada dia é diferente do outro, as vezes não percebemos isso, mas é real, cada dia novos desafios surgem, novas expectativas, sonhos novos nos aquecem a alma, o ontem ja foi , o hoje é uma chance nova de recomeço. Boa tarde querida Daisy Lucas. Beijosssssss

Deixe um comentário!