Óculos de Humanidade

Porque eu sou do tamanho do que vejo
E não do tamanho da minha altura…

(O Guardador de Rebanhos, Fernando Pessoa)

Por mais absurdo que possa parecer existem aqueles que se julgam monumentais, vemos isto a cada instante pela mídia. Especialmente na política e na justiça parece que as pessoas perderam a noção das coisas. Egos inflados saem explodindo no ar, lançando faíscas de ódio e vingança pelo Brasil afora.

Nenhum deles parece se importar com o momento grave que o mundo vive. Nenhum deles parece se importar com as perdas, as dificuldades e a insegurança que hoje transitam pelas ruas, pelas cidades, pelo pais inteiro, como fantasmas a assombrar as famílias, a provocar perdas não só de pessoas, mas também de planos e de perspectiva de futuro. Não, isto parece não atingir a sensibilidade desses atores que disputam como aves de rapina uma parcela de Poder.

E com isso, aumenta sua pequenez humana, ainda não perceberam que é tudo ilusão. Vale lembrar que o mesmo Fernando que escreveu os versos acima, embora tenha usado codinome, disse também que “o poeta é um fingidor”.

Portanto, quem acreditou ser do tamanho que se vê… pobre criatura, precisa de óculos.

Óculos de HUMANIDADE.

Deixe um comentário!