Pode Ser…

Não sei se acontece com você, mas comigo tem acontecido um monte de vezes. Você faz uma pergunta e a pessoa responde: “Pode ser”. Aí você espera a continuação da frase…, e não vem.

“Pode, não pode, ou não quer resolver?” Isso o que eu responderia em tempos outros, na época em que eu ainda não havia descoberto que a meditação diária relaxa, acalma, abre a percepção para situações e circunstâncias nunca antes vividas, e, dentre outras coisas, ensina como domar os seus demônios e te deixa meio larilalá,… quer dizer, na embriaguez da paz.

Agora, sendo rigorosamente verdadeira, tenho que lhe confessar que diante do “pode ser”, quase me vem à ponta da língua a pergunta “Está com medo de decidir”?

Sim, porque eu não entendo essa frase inconclusiva dita por alguém que queira aceitar um convite, ou combinar um passeio, uma saída, ou mesmo para ir ao cinema.

A princípio pensei: falta do que fazer, Daisy, foca no novo livro que está escrevendo

Sim, de verdade, cheguei até a pensar que estava meio pirada, o que não é absolutamente incompatível com a produção de um livro. Como eu, alguns escritores com quem já conversei o assunto, ficam com a percepção aguçada para umas coisas e inexistente para outras.

Com base nisso, seria bem possível que eu estivesse maximizando uma percepção que não fosse lá essas coisas.

Para tirar a prova dos nove, perguntei a uma pessoa.

Perguntei a duas pessoas.

Perguntei à terceira pessoa…, e depois parei de perguntar. Muita coincidência, as três me disseram a mesma coisa “Engraçado, eu não tinha me ligado nisso, mas realmente acontece”.

Ufa! Meus neurônios não estão de férias… A outra pergunta nesse mesmo universo de pesquisa que reconheço ser bem singelo, foi: “E quem, quem… usa constantemente esta frase”.

Aí houve novamente unanimidade: “Os jovens”.

Peraí…, mas os jovens de hoje costumam ser tão resolvidos com relação ao que querem e ao que não querem…

Aí não houve mais unanimidade no meu “universo de pesquisa”… Muito menos consenso, mas predominou a ideia que diante de tantas opções o jovem deixa para o último minuto resolver qual alternativa vai escolher. E que os mais vividos, para não dizer os quase idosos ou os idosos propriamente ditos, não estão acostumados a tanta possibilidade e resolvem logo, antes que a chance se vá.

Eu, com meu ibopezinho particular (pequeno, mas rigorosamente honesto), achei melhor acreditar.

Afinal de contas, tenho que parar de ficar inventando assunto para me concentrar em inventar um livro.

Mas estou aqui, ainda muitíssimo curiosa, para saber o que você pensa: se quiser participar da pesquisa, fique à vontade.

E não deixe de fazê-lo. Há uma afirmativa que, pela minha experiência em Palestras e Workshops sempre mobilizou as pessoas, e hoje repito a você.

Se em algum momento tiver um pensamento ou uma ideia que considere importante, agregadora, trate de compartilhá-la com as pessoas. Pode ser que ninguém mais tenha aquela ideia, e o mundo nunca vai conhecê-la. E a responsabilidade será toda sua.

2 Comments

  • Vamia disse:

    Uso “pode ser” quando não quero discutir o que tem sido cada vez mais frequente.

  • Daisy disse:

    Regina Célia >> Você é especial 👏🏻👏🏻👏🏻👏🏻👏🏻

    Isabel Loureiro >> Legal, vc fala pode ser em varias situacoes ate para se livrar de pessoas chatas nao quer esticar o assunto !

    Ana Lúcia Cardoso >> Adorei👆. Qdo dizem “ pode ser” considero falta de interesse e não volto ao assunto.

Deixe um comentário!