“Para quem é…, bacalhau basta.”

Nunca entendi direito certos aspectos da Páscoa, mas também não me preocupei em pesquisar. Pois foi o que fiz esse ano. E concluí algumas coisas que compartilho com você.

Bom, para início de conversa, “Filho feio não tem pai, mas o bonito…” Leia o texto e depois veremos se concorda comigo ou não.

Várias fontes afirmam que a Páscoa existe desde os antigos povos pagãos, como por exemplo, os celtas, fenícios e os egípcios.

Não tinha o nome, mas sempre teve o simbolismo de ser tempo de renovação e de esperança, pela simples razão porque era época da comemoração da chegada da Primavera e o fim do triste e sombrio Inverno. Ora, a levar-se em conta as condições destes povos antigos era mesmo de festejar, era praticamente um Festival de Celebração à Sobrevivência, não devia ser fácil passar incólume por um inverno sem ao menos um aquecedorzinho, ou um agasalho bacana, pois tinham que se contentar com aquelas peles que eles mesmos curtiam, peles fedorentas…, o cheiro de pele mal curtida é de arrepiar.

Outra dica da, digamos, idade da Páscoa é que o nome Easter, que significa Páscoa em inglês, se origina na mitologia nórdica e germânica em Eostre, Ostera ou Ostara. Este era o nome da deusa festejada nas celebrações pagãs no equinócio de Primavera, que coincide justamente na época em que o mundo comemora a Páscoa.

Para os cristãos, a origem do termo é Paska, do latim, significa “alimento”, e incorpora o fim do jejum da quaresma, jejum que é recomendado aos animais de sangue quente, como aves e mamíferos. Ou seja, o peixe está fora da lista, como sabemos.

Mas o que não sei se todos sabem é que o bacalhau, o peixe praticamente consagrado para ser o alimento da sexta-feira santa, NÃO É UM PEIXE.

Confesso que quando descobri isso fiquei bem surpresa, mas tenho a lhe dizer que o bacalhau não é um peixe, é uma técnica. O bacalhau é resultante do processo de salga e secagem de alguns peixes. Dizem que o peixe que se transforma no melhor bacalhau é o Gadus morhua. Isso é o que dizem…

Mas, para continuar com as curiosidades pascais, tem um ditado que eu ouvi em Évora, do qual nunca esqueci.

E o fato foi o seguinte: raramente viajo com exemplares de livros meus. Exceções acontecem e assim, no Hotel Fazenda em que fiquei no povoado de Monzaraz, a recepcionista viu o livro que eu lia – A Clandestina – enquanto esperava colocarem a bagagem no carro que alugara, e ela, conferindo o meu nome na capa, pediu-me um livro autografado. Atendi seu pedido, e logo o gerente pediu a mesma coisa. Tive que explicar ser aquele era o único exemplar; em seguida, escrevi uma mensagem à moça e perguntei: “Está bem assim?”

O gerente virou-se para mim (acho que não acreditou no que lhe disse), resmungando “Pra quem é, bacalhau basta”.

Achei interessante aquilo, mas a frase perdeu-se no tempo. E hoje, anos, depois, venho a entendê-la.

Conta a lenda que, apesar da proibição da Igreja, os nobres continuavam a comer seus faisões e depois se penitenciavam com largas oferendas à Igreja, mas a coisa tinha que acontecer às escondidas. De modo que, quando chegava alguém fora do círculo privé, era levado a fazer sua refeição em outro ambiente, e o dono da casa lembrava ao criado: “Para quem é, bacalhau basta”.

Mas, entre Páscoa e curiosidades pascais, deixo aqui o meu desejo que esta Páscoa seja mesmo de renovação – aos cristãos, aos não cristãos, aos ateus, enfim, a todos nós. Renovação de Fé seja qual for o credo ou o não credo da pessoa…, sempre se acredita em alguma coisa, nem que seja no primeiro átomo que saiu se reproduzindo promiscuamente até dar nisso que deu.

Pois espero mesmo que você renove seus conceitos, suas crenças, suas atitudes, e que com esta Páscoa venha o renascer da sua saúde.

Ah, e que você nunca seja aquele que diz “Para quem é, bacalhau basta”.

2 comentários

  • Regina Lucia Amaral do Nascimento disse:

    “curiosidades pascais”…amei.Um abraço carinhoso e feliz Páscoa!

  • Daisy disse:

    > Vitória Bonaldi
    >> Excelente, como sempre , Daisy ! Amei 💗🌷💋

    > Maria Angélica
    >> Bom dia a todos. Feliz Páscoa. Dayse, adorei sua crônica.
    Dizem que a Páscoa tem origem no povo hebreu que fazia sua celebração do fim da escravidão. Em algumas passagens como no julgamento e paixão de Cristo estavam no tempo da Pascoa e o próprio Pilatos não queria ficar impuro para poder celebrar a Páscoa.
    Mas seja lá como for, o importante realmente é termos em nós os sentimentos de amor e renovação, fé e esperança e sobretudo compaixão.

    > Regina Lucia
    >> Você sempre com esse espírito de busca. Amei, Feliz Páscoa.

    > Maria Alice Persini
    >> Textos que sempre nos prendem,do início ao fim.😘

    > Lúcia Helena
    >> Boa pesquisa Daisy porém “Para os cristãos, a origem do termo é Paska, do latim, significa “alimento”…” não foi bem o q aprendi…🤔. SEMPRE foi da palavra hebraica pésaj que significa “passagem”, e mais propriamente “simbolizada” pela libertação do povo hebreu da escravidão no Egito. Daí passou o mesmo termo ao cristianismo por representar o triunfo da vida eterna sobre a morte ( a “passagem” da morte à vida eterna! Ressurreição/ Renovação..Como quiser 🤷‍♀) 😉
    Uma Feliz Páscoa portanto à vc e todas as “Meninas de Viagem” e suas famílias 🙏❤ Q nossos sentimentos de amor e compreensão se renovem e se fortaleçam Naquele q nos criou e deu o exemplo ❤❤🙏🙏😘😘😘🐇🐇

Deixe um comentário!