Bendito pão nosso de cada dia

daisy25maiBasta zapear um pouco, não só pela TV aberta, mas pelos canais a cabo, e você, em qualquer horário, certamente vai encontrar um programa de gastronomia: doces, salgados, comida regional, enfim, toda sorte de cardápio e de gente com umbigo encostado no fogão. Pilotando-o, homens, mulheres, altos, baixos, gordos, magros, gente de tudo quanto é tipo e nacionalidade. Até crianças.

Confesso que fico encafifada: por que raios todo mundo resolveu se dedicar à incrível arte de alimentar o mundo?

Imediatamente um “macaquinho do meu sótão” me diz, com voz grave e um tom de deboche: “Ah, talvez porque mundo esteja passando tanta fome de tanta coisa…”

Talvez as pessoas estejam querendo ser mais generosas… Não tenho dúvida de que o ato de cozinhar para alimentar o outro seja uma das formas mais generosas de compartilhamento. E sem querer ser “maior” do que os outros, o que eu não ousaria mesmo, com meus 1,58 de altura, tive que reconhecer que existe mesmo FOME.

Aqui não me refiro apenas à fome de comida, porque esta, sabemos nós que se deve à ganância dos poucos que comem, e comem bem — inclusive se alimentam das verbas que poderiam alimentar os que não comem. Sim, esta fome é falta de comida, mas me refiro à fome que é falta de outros tipos de alimentos, como cultura, vergonha, solidariedade, consciência e, por que não, de senso de ridículo.

Diz o “macaquinho do meu sótão” que, em não se podendo ter esses outros alimentos, serve-se gastronomia à vontade.

Pode ser, pode ser. E não é uma questão brasileira apenas.

Vejamos: Donald Trump pode se tornar o próximo presidente da república mais poderosa do mundo; Maduro esgota tudo quanto é recurso da Venezuela, e depois decreta estado de emergência para calar a boca das pessoas; enquanto no Brasil não existem mínimos recursos para o Sistema Unificado de Saúde (SUS), fizemos portos para Cuba, mais não sei o quê para Angola, mais não sei o quê para não sei quem. Só sei que enquanto a indústria no Brasil quebra, soltando estilhaços para todo lado, incluindo 11 milhões de desempregados, o BNDES — sigla que ironicamente quer dizer “Banco NACIONAL para o Desenvolvimento” — dá uma de bonzinho utilizando seus recursos para parceiros que interessam ao governo que está sendo impichado agora. Brasileiro é tão bonzinhoooo…

Também, com esses preços… O quilo do pãozinho francês a R$13… Tome de aprender a fazer musses, e quiches, e vol-au-vent, e comida vegetariana. E nada de aprender a ter vergonha na cara, solidariedade, compaixão, e senso de ridículo.

Em minha mente surge uma recordação de quando a censura estava a todo vapor no golpe de 64. Existia um jornal que os jovens não conheceram, o Correio da Manhã, que substituía a matéria censurada por receitas — só que eram receitas de bolo de fubá, de cozido, enfim, pratos brasileiros que seriam acessíveis a todos.

Sopra o “macaquinho” na minha cabeça: “Estará o mundo reagindo à fome de princípios, à fome de vergonha e de senso de ridículo?”

Não, seria punk demais para o meu gosto. Mas, de qualquer forma, vale o registro, e eu gostaria de saber por que tantos programas ensinam a fazer comida e tão poucos ensinam a fazer cultura, criar consciência, fornecendo às pessoas ferramentas para que identifiquem a verdade que está subjacente aos fatos noticiados.

Se vocês souberem, caros leitores, por favor, me informem, para ver se esse “macaquinho” que zoa em minha sala se cala para sempre.

Deixe um comentário!