De Masi … o “Rita Lee” da Sociologia

_Criar conhecimento, e ao mesmo tempo aprender e divertir-se produzem bem-estar. Portanto, o ócio, ao contrário do que muitos dizem, pode ser fator determinante para ampliar a condição criativa e a qualidade da criação.

Com essa afirmação Domenico de Masi desenvolveu o conceito de “ócio criativo”.

A primeira vez que ouvi falar de De Masi, eu estava fazendo uma pós, e isso tem muito tempo.

Na época a Internet não era como hoje. Eu li, registrei e ponto.

Anos depois vim a conhecê-lo, um italiano com cara de Papai Noel, que me encantou. Ele veio ao Brasil, fez Palestra em São Paulo, e eu o vi num programa de entrevistas, degustei cada palavra que disse.

E o que ele disse?

Bom, começou dizendo que há que se fazer a diferença entre ócio e preguiça. No ócio não existe preguiça, existe, sim, tempo disponível para criar…tempo e desejo, né Domenico?

Afirmou que o melhor exemplo que tinha para ócio criativo era o Carnaval no Brasil, que incorpora estudo, pesquisa, prazer e riqueza no trabalho.

Lembro que ao ouvir isto, percebi uma contradição em sua obra, porque num de seus trabalhos ele diz que “infelizmente é muito difícil que o ócio criativo possa ser usufruído pelos trabalhadores que não façam trabalho intelectual” ou se dediquem a alguma espécie de arte “não é possível para quem faz trabalho físico, repetitivo, estressante e perigoso”.

No caso do Carnaval é o trabalhador braçal que faz o efeito, porque quem pensou o enredo, pesquisou tudo, nada produziria sem o trabalho braçal.

Enfim, depois de te apresentar o De Masi, caso não o conhecesse ainda, você há de estar pensando esta mulher coloca uma ilustração estranha, barro e mais barro, umas formas não reveladas o que tem a ver um cientista político, sociólogo, com tudo isso?

Bom, você pode ter pensado assim no início da leitura, mas como é expressivamente inteligente (tenho uma sorte louca, todos os leitores que me dignam com sua atenção são superinteligentes), tenho certeza que já sacou.

Minha argila é meu símbolo e a expressão do meu ócio criativo – aliás, do nosso ócio criativo. Sim, porque se leu até aqui, você faz parte do meu ócio criativo.

Senão vejamos: eu produzi um texto, ou seja, um trabalho para o qual eu tive que buscar dados na minha memória, pesquisei, tive muito prazer em fazer isso tudo, me diverti quando fui ao YouTube e revi De Masi, vi que agora sim, ele está o próprio Papai Noel, e você agora está participando do meu processo, pois “consome” o resultado do meu ócio criativo.

Ah, não posso esquecer que ele afirmou que o ócio criativo poderia ser muito importante, especialmente no futuro em que a tecnologia poderia facilitar o “teletrabalho”, o fim da escravidão dos horários e dos escritórios(olha só a profecia…).

E, segundo ele, nem por isso vamos deixar de produzir riqueza.

Bom, para fechar nosso ciclo de ócio criativo, espero que você passe a adquirir os livros que eu lançar… rs, ficando responsável pela etapa “criar riqueza” do nosso processo… rs

Ah, e você há de estar ainda estranhando outra coisa: Por que Rita Lee?

Vou te dizer: Ô mulher atemporal essa!

Minha mãe gostava da Rita Lee, eu adoro suas músicas, meus filhos idem e meus netos curtem muito algumas de suas músicas que nunca, nunca, serão datadas.

Exatamente como Domenico De Masi, que publicou seu primeiro Estudo em 1975… Que ainda hoje, 2020, está atualíssimo. Não é à toa que, em 2014 ele publicou: “O Futuro Chegou”.

E, digo eu, chegou “causando”.

# Rir é muito bom, é quase um remédio às vezes. Mas não nos esqueçamos…
# Cuide-se, proteja-se, só saia de casa se for estritamente necessário.

Deixe um comentário!