PARA OS MEUS OITO SORRISOS

Amanhã é Dia dos Avós e a melhor forma de festejar isso nesta época, é me lembrar que tenho muitas razões para festejar, Oito razões a Vida me deu como presente e umas outras eu fui chegando de mansinho e, por sorte, eles me adotaram como vó.  Não é, Luquinha, João Guilherme e Caio Feitosa? Bjinho para todos vocês.

A poesia me sai como em tropeços,

Se embaralhando em caminhos malpassados,

A reviver uns sonhos não – vividos,

A recordar que vivi os não – sonhados.

Os sorrisos que enfeitam minha vida,

Uns bem brancos, outro agora desdentado,

Já que os dentes de leite foram ao Tempo entregados…

Sorrisos que abrem portas, e a verdade nua e crua,

É que, é certo, para eles meu futuro está voltado,

Ida sem volta, percurso que nem preciso explicar.

Esse desejo de a eles sempre, sempre dedicar

Todo instante que ainda a Vida me contemplar,

Todo sonho que ainda eu tiver para sonhar,

Guardando só para eles toda e qualquer energia

Que ainda tenho para amar.

Deixe um comentário!