Naus sem Rumo

É… A Pandemia faz pensar.

Claro, sobra tempo para pensar… melhor dizendo, sobra para algumas coisas e falta para outras.

Sobra tempo para o que considerávamos antes básico em nossas diversões: teatro, cinema, jogar conversa fora em barzinhos, ficar rodando em shoppings, sentar numa praça à sombra e ler um livro, por exemplo. E apesar de sobrar tempo, não podemos curtir nada disso, ou quase nada.

Aí eu disse que também “falta tempo”.

Como assim, diria um de vocês, mesmo quem voltou a toda ao trabalho não está no mesmo ritmo, muita gente continua em home office, os shoppings estão vazios, cinemas ainda não reabriram… falta tempo para quê? Para quem?

Ah, meus amigos.

Muita gente está perdida, lamuriando, reclamando que não pode isso, não pode aquilo, sem lembrar de agradecer se ainda não foi pego pela pandemia, ou, se, tendo sido pego, conseguiu sair sem maiores “arranhões”.

Para esses lamurientos falta tempo. Falta tempo agora e sempre faltará, pois quem não tem Gratidão pela vida não consegue conectar-se ao momento que vive, está sempre a reclamar de alguma coisa que não foi, ou de algo que acha que nunca será.

O tempo que se dedica à Gratidão é um tempo que não se gasta. Ao contrário, ganha-se tempo quando se tem o sentimento de gratidão. Quem sabe agradecer amplia a sua humanidade, consegue ter aquele misterioso magnífico sorriso que contagia sem a gente saber porque, e eu lhe digo: porque é o sorriso da alma. Geralmente são pessoas ousadas e corajosas, que sabem muito bem quem são e para onde querem ir. Sabem que a “sorte” não é dona do destino de ninguém, mas que o esforço e a sabedoria, estes sim, comandam o destino.

E mais: já que estamos constatando a cada dia que essa novela de pandemia vai ter muito mais capítulos do que imaginávamos, aproveite para, além de cultivar a gratidão à vida e às pessoas, planejar como pode fazer da sua vida algo melhor. Melhor não apenas para você, mas também para quem está ao redor.

Já os que passam o tempo reclamando costumam ser pessoas amedrontadas, que não se conectam ao momento, porque estão muito ocupadas cultivando o seu medo, medo da vida. São pessoas que não têm um plano de existência, mesmo que tenham um projeto de vida, porque o projeto é o material, e o plano de existência é infinito. A esses, sempre vai lhes faltar tempo, o tempo que desperdiçam em queixumes é um tempo perdido, que não constrói, que não leva a nenhum destino.

Essas pessoas são verdadeiras naus sem rumo.

# cuide-se.

Deixe um comentário!