Para quem sabe ler

Para quem sabe ler pingo é letra.

Conversando outro dia comigo mesma, o papo mais possível hoje em dia, para mim, que vivo sozinha… (grande mentira essa, que os reclamões usam – aquelas pessoas que reclamam, reclamam, e não conseguem dar um passo além da reclamação). Sim, mas voltando ao assunto, como o zap estava out, telefone fixo já deletei, porque hoje, de fixo, só o meu amor pelos meus queridos e a minha fé messiânica, porque já saquei que o resto é inevitavelmente temporário, sem a menor perspectiva de durabilidade, resolvi perguntar-me: “Por que escreves, Daisy, por que esta necessidade de cansar os dedos na catamilhagem diária, que se de fato fosse milhagem que desse algum proveito terias milhas para dar volta ao mundo…?”

E aí, me respondi: Escrevo porque aprendi a ler nas entrelinhas coisas tão terríveis que o meu pensamento muitas vezes não ousa dizer.

Escrevo porque desvendei o som do mar, que me entra nos ouvidos, me fere todos os sentidos, me arromba, me aflige, me faz ver o impossível, e me faz adormecer.

Escrevo porque sei que a liberdade é prato que não se come; se olha no meio dele, se dá a volta e se some – no mundo meio perdido, tendo o mar em seu ouvido, tendo flores dentro ao peito, sem encontrar o defeito dessa pobre humanidade que sorri sem ter vontade, que penteia os cabelos, e nem sequer pode vê-los – porque estão bem penteados – e em seu meio estão perdidos pensamentos escondidos, estes tão mal arrumados,

disfarçaaaados,

maquiaaaaados,

tristemente

desavergonhaaaaaaaados.

Tá… melhor mesmo escrever poesia…, não disseram que o poeta é um fingidor?

Pois é… Foi o que me deu vontade de escrever após assistir ao noticiário e ver que, apesar de tudo, os homens continuam querendo sua fatia de poder, querendo convencer a nós, pobre povo meu, que são todos muito dedicados ao país, e só querem o nosso bem.

Espero que saibamos dar a resposta nas urnas, já que… já que…

Gente, pior é que nessas reticências – três pontinhos apenas, e cabem todos eles, não tem um melhor que o outro e eu fico sonhando com o dia em que vou escolher o meu candidato em vez de votar no que eu achar ser o menos pior.

Sim, pra bom entendedor, pingo é letra. Não basta só saber ler, tem que entender o que está lendo.

# use máscara. Pelo menos máscara a gente escolhe e sabe o que está escolhendo… se tiver aprovação do INMETRO.
# paciência, um dia isso acaba. Até lá, vamos conversar – eu estou por aqui, mas se não tiver alguém por perto, converse consigo mesmo… pode ser um ótimo papo.

Deixe um comentário!